SEJA BEM VINDO!!!

ESSE BLOG TÊM O OBJETIVO DE TRAZER ATÉ VOCÊ, O DIA-A-DIA DE NOSSA IGREJA, ALÉM DE TRAZER PALAVRAS DE AMOR E EDIFICAÇÃO PARA SEU CORAÇÃO!!!

IGREJA A VOZ DE CRISTO - OLINDA

IGREJA A VOZ DE CRISTO - OLINDA
Uma Igreja Comprometida com o Reino de Deus

PR JOÃO E SUA ESPOSA IR MARILUCE

PR JOÃO E SUA ESPOSA IR MARILUCE

PROGRAMAÇÃO OFICIAL DA IGREJA A VOZ DE CRISTO - ATUALIZADA

Segunda: Dia do Culto nos Lares

Terça: Culto na Congregação do Pb. Jacy Valentim às 19:30hs

Quarta: Culto de Oração e Doutrina - Ig Voz de Cristo em Olinda às 19:30hs

Quinta: Culto na Congregação do Pr. João Evangelista às 19:30hs

Sexta: Círculo de Oração 09:00hs as 16:00hs e Culto da UNIFEM às 19:00hs

Sabado: Não tem programação Oficial

Domingo: Escola Bíblica Dominical - 9:00hs
Evangelismo - 14:00hs
Culto Evangelistico - 19:00hs

OBS:
* 3º Domingo de cada mês - Culto das Primicias.
* Último Domingo de cada mês - Santa Ceia.
* Último sábado de cada mês temos Culto Jovem.
* Todo penúltimo sábado temos Culto de Missões.

RESPONSAVEIS PELO BLOG

RESPONSAVEIS PELO BLOG
SEM.VICENTE LEÃO

sábado, 20 de dezembro de 2008

A CORONEL LOUCA COM SUAS TEORIAS MAIS LOUCAS AINDA


CORONEL FEMINISTA ESTADUNIDENSE ESCREVE LIVRO EM QUE DESCLASSIFICA A CONVERSÃO DO APÓSTOLO PAULO E CHEGA ATÉ A ACUSÁ-LO DE ´ESPIÃO ROMANO INFILTRADO NA IGREJA CRISTô

Recentemente, a Associated Press noticiou que a Coronel Rose Mary Sheldon, diretora do departamento de história no Instituto Militar da Virginia, co-escreveu o livro recentemente publicado Operation Messiah: St. Paul, Roman Intelligence and the Birth of Christianity (Operação Messias: São Paulo, o Serviço Secreto Romano e o Nascimento do Cristianismo). O livro indica que o Apóstolo Paulo pode ter sido um espião romano que falsificou sua conversão a fim de se infiltrar na igreja cristã primitiva. (?!?!?!?!?!?)

Gary Habermas é um ilustre professor de pesquisa e diretor do Departamento de Filosofia e Teologia na Universidade Liberty. Ele diz que até mesmo críticos liberais concordam em que o Apóstolo Paulo era sincero no que se referia à sua fé cristã. E de acordo com Habermas, eles também concordam em que Paulo escreveu pelo menos meia dúzia dos livros que se encontram no Novo Testamento.

“Uma das opiniões dos críticos agora — e estamos falando de pessoas que não levam a Bíblia a sério como a Palavra de Deus — esses estudiosos diriam que no mínimo esses relatos são autênticas recordações de Paulo acerca de sua vida”, diz o professor da Universidade Liberty, “e que no mínimo ele estava com sinceridade relatando o que ele pensava ser verdadeiro”.

Habermas argumenta que o Apóstolo Paulo conhecia pessoalmente outros apóstolos, tais como Pedro e Tiago — e que Paulo desempenhou papel essencial na propagação do Cristianismo ao redor do mundo.

Thijs Voskuilen, que co-escreveu o livro junto com Sheldon, escreve em seu blog que sua teoria com relação a Saulo de Tarso (o Apóstolo Paulo) como espião romano se originou quando ele digitou errado o nome do personagem de uma novela que ele estava escrevendo. Em vez de digitar “o mentiroso Paulo”, ele digitou “o mentiroso Saulo”.

Fonte: Julio Severo

NOTA: De acordo com o Julio, a autora do livro é uma coronel feminista. Seus ideais são, a priori, anti-cristãos. Logo, idéias estapafúrdias como esta não encontram sustentação em evidência histórica, mas nas pressuposições anti-cristãs de alguém que tem um estilo de vida contrário ao que orientam as Sagradas Escrituas. Assim, em termos acadêmicos, uma salada literária desta tem tanto valor histórico quanto uma nota de três reais. O problema é que tais publicações incrivelmente repercutem e causam muito, muito barulho...

Em Cristo Jesus,
Pr. Artur Eduardo

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

ROMENIA BANI EVOLUCIONISMO DE SUAS ESCOLAS


ROMÊNIA RETIRA EVOLUCIONISMO DO CURRÍCULO DE SUAS ESCOLAS

A Romênia retirou o ensino da teoria da evolução das escolas, possível resultado do aumento de uma tendência de conservadorismo na educação. Educadores afirmam que retirar esse conteúdo do currículo irá distorcer o entendimento das crianças de como o mundo foi criado. Ao mesmo tempo, as escolas religiosas continuarão ensinando que foi Deus quem criou o mundo em sete dias. A disciplina de biologia foi também reduzida para duas horas por semana para os últimos dois anos da escola secundária. No lugar da teoria da evolução, os alunos aprendem sobre ecologia e meio ambiente, conteúdos que, segundo um professor de biologia Romeno, as crianças acham “enfadonho”.

Em 2006, o ministro de Educação e de Investigação também retirou Voltaire, Camus e Nietzsche do currículo de filosofia. Esses três autores são conhecidos por serem críticos da religião. Atualmente, crianças romenas têm aulas de religião dos sete aos dezoito anos. Essas mesmas crianças também são ensinadas a ir à igreja aos domingos de manhã. Existem propostas para que aulas de religião sejam consideradas obrigatórias no sistema educativo, independentemente da opinião dos pais. Crianças que não assistem às aulas de Religião teriam que assistir aulas de Educação Religiosa e Moral.

(Macedônia Online)

Nota do jornalista Michelson Borges: Extremos para um lado ou para o outro são sempre objetáveis. Criacionistas conscientes e proponentes do design inteligente geralmente não são contra o ensino da teoria da evolução nas aulas de ciências/biologia (afinal, o darwinismo é uma das explicações para o “surgimento” da vida). O que se defende é o ensino crítico do darwinismo, que se apontem suas insuficiências epistêmicas e que se abordem as alternativas teóricas para a origem da vida.

Fonte: Criacionismo

Em Cristo Jesus,
Pr. Artur Eduardo

MAS UM CASO DE DISCRIMINAÇÃO AOS CRISTÃOS


POR ENVIAR UM E-MAIL DIZENDO ´AMAR O PECADOR E ODIAR O PECADO´, COMO RESPOSTA AOS INÚMEROS E-MAILS QUE RECEBEU EM SEU MICRO OS QUAIS INCENTIVAVAM A AGENDA GAY, POLICIAL INGLÊS É DEMITIDO SUMARIAMENTE!

O policial Graham Cogman. Em entrevista, ele disse que a demissão está “destruindo a ele e sua família”.


Um policial do Condado de Norfolk que foi demitido por citar a Bíblia com relação à imoralidade das relações sexuais homossexuais diz que ele está “totalmente devastado” com o que aconteceu.

“Era um emprego que eu adorava. Isso está destruindo a mim e a minha família”, disse o policial Graham Cogman ao jornal Daily Mail na semana passada.

Cogman foi demitido de sua posição no final de novembro depois que ele mandou um email citando passagens da Bíblia que denunciam a conduta homossexual, e outro email com link para um ministério nos EUA que busca curar os homossexuais de seu problema.

Cogman diz que enviou os emails depois de ser “bombardeado” com emails mandados por funcionários da delegacia de polícia que estavam promovendo a agenda gay, inclusive mensagens incentivando-o a usar uma fita rosa em homenagem ao “mês da história gay”. Em resposta a um email de um homossexual envolvido num caso homossexual na delegacia, Cogman citou o ditado cristão: “Amar o pecador e odiar o pecado”.

Não há registro algum de demissões e disciplina contra funcionários da delegacia que promovem a conduta homossexual.

Autoridades policiais afirmam que Cogman violou as normas da delegacia com relação a uso de computadores, bem como normas que exigem “cortesia e tolerância”, de acordo com uma notícia. “A conduta deste policial ficou bem abaixo do que esperamos de nossa gente”, disse o porta-voz da delegacia Ian Learmoth.

“No trabalho policial em geral há um sentimento de medo”, disse Cogman ao Daily Mail. “Há um preconceito claro contra a religião cristã — e todas as outras religiões — quando o assunto envolve uma opinião que critica o sexo homossexual”.

“A opção fácil para mim teria sido ficar de boca fechada, mas quando há tal preconceito contra um ponto de vista, como é que isso pode ser certo? Para mim, isso não parece igualdade e diversidade”, acrescentou ele.

O Rev. Martin Young, da Igreja de St. Andrew em Norwich, escreveu uma carta aberta à polícia de Norfolk denunciando as ações deles.

“As opiniões de Cogman não são radicais nem incomuns”, escreveu Young. “As opiniões dele estão de acordo com a compreensão pública da Igreja da Inglaterra, da qual ele é membro”.

“A frase ‘Amar o pecador e odiar o pecado’ é um ditado cristão comum que resume o dever do cristão de amar todas as pessoas, independente de suas escolhas de estilo de vida”, a carta continuou. “É de presumir que a política de diversidade deveria também proteger as opiniões cristãs”.

“Cogman deu respostas cuidadosas num espírito de abertura e honestidade, e por isso ele deveria ser elogiado, não punido”. Com a ajuda do Centro Legal Cristã, Cogman está apelando da decisão.

Fonte: O Verbo

NOTA: A demissão, em si, já é um ato claro de discriminação criminosa. Estas atitudes têm de ser combatidas com um amplo movimento público pois, até aonde sei, a maioria da população não aceita a agenda gay, não se identifica com a mesma e não seria a favor de algo sumário, criminoso e inconsequente como foi a demissão deste policial cristão. Aonde nós vamos parar?? Aonde estão os cristãos ingleses, pelo amor de Deus?... Escondidos debaixo dos bancos de suas igrejas?? Só ´UM´ Reverendo (Pastor) anglicano escreveu uma carta repudiando este ato hediondo?? Os bispos de TODA a Inglaterra deveriam se unir, pois isto fragiliza a instituição, imediatamente, e todo o Cristianismo, mediatamente. Este é o caminho que tem trilhado a ´pluralista´ Europa pós-cristã.... Lamentável, mesmo!

Em Cristo Jesus,
Pr. Artur Eduardo

MAIS UMA TENTATIVA FRUSTRADA DOS EVOLUCIONISTAS


RICHARD DAWKINS AFIRMA TER CRIADO PROGRAMA DE COMPUTADOR QUE SIMULA UM COMEÇO DA VIDA A PARTIR DE NÃO-VIDA, O ´SANTO GRAAL´ DOS EVOLUCIONISTAS... BEM, AO QUE TUDO INDICA, SUA DESCOBERTA NÃO PASSA DE UM JOGUINHO ENFADONHO QUE BURLA AS LEIS DA PRÓPRIA BIOFÍSICA

O grande nível de informação presente em cada ser vivo revela-nos a intervenção de uma mente inteligente, pois a informação é uma entidade imaterial que tem sempre origens inteligentes. Mas como “Inteligência” não pode fazer parte da ciência das origens, os evolucionistas fazem tudo para mostrar que ela surgiu por acaso e foi evoluindo através do erro genético.

Richard Dawkins desenvolveu o Weasel program, um software que pretende mostrar como a vida não tem uma causa inteligente. O programa de computador começa com uma sequência aleatória de 28 letras e espaços. A sequência é então copiada repetidamente, representando a reprodução biológica. São permitidos erros de cópia, representando as mutações. Sem grandes surpresas, em poucas gerações, a sequência vai de uma série de letras que nada dizem à sequência “ME THINKS IT IS LIKE A WEASEL“.

No primeiro teste vai de “WDLTMNLT DTJBKWIRZREZLMQCO P” a “ME THINKS IT IS LIKE A WEASEL“, em 43 gerações.

No segundo vai de “Y YVMQKZPFJXWVHGLAWFVCHQYOPY” ao mesmo resultado, em 64 gerações.

Et voilá, um programa de computador "prova" que não é necessária intervenção inteligente para a vida ficar mais complexa.

Ironicamente, em The God Delusion, Richard Dawkins fornece a explicação para o facto de o seu software ter chegado ao resultado esperado. Claro que ele não aplica aquilo que diz ao Weasel program, mas adequa-se na perfeição a este caso. Deliciem-se:


“Os computadores fazem o que lhes manda. Obedecem cegamente a quaisquer instruções que lhes sejam transmitidas através da linguagem de programação. É assim que desempenham coisas úteis, como processamento de texto e folhas de cálculo. Mas também há um subproduto inevitável, e que é o facto de terem um comportamento igualmente robótico quando se trata de obedecer a instruções erradas.

Não têm forma de saber se uma dada instrução vai produzir um bom ou um mau resultado. Limitam-se a obedecer, tal como se espera de um soldado. É a sua obediência incondicional que torna os computadores úteis, e é precisamente isso também que os torna inescapavelmente vulneráveis a infecções de vírus e vermes de software."


(Richard Dawkins em Deus, um delírio, pág. 216)

Este tipo de jogo de computador pode ser jogado por qualquer um e alcançará sempre o objectivo para o qual foi concebido. Por quê? Porque eles foram concebidos com determinado propósito. Os programas de computador não se criam a eles próprios. São criados pelo homem. Os valores são introduzidos pelo homem. No caso do exemplo de Dawkins, até as letras aleatórias iniciais não são, de todo, aleatórias. Elas foram introduzidas pelo programador.

Não é, então, de se ficar admirado pelo programa provar aquilo que o programador quer.



“A complexidade dos seres vivos não necessita da intervenção de um designer inteligente. É apenas o produto do acaso, como eu mostrei aqui.“

*Programador inteligente com inclinação 100% anti-Deus*

*Tecnologia do século XX, programada para produzir um resultado predeterminado*

Fonte: A Lógica do Sabino

O texto a seguir é do blog ´Expectativas´:


O ADN da mais pequena bactéria unicelular contém mais de 4 milhões de instruções (comandos de informação), que se encontram codificadas no ADN nas quatro “bases” da escada, com os nomes de A, G, C e T: são o alfabeto genético. Actuando como frases de um texto ou de um discurso, as instruções do ADN passam a informação necessária à formação de uma proteína ou algo semelhante que o organismo necessite para a sua reprodução ou alimentação.

O problema dos teóricos da “auto-organização” é que os mecanismos de criação de vida que eles defendem não explicam o método de geração do tipo de informação que o ADN contém. Os cenários da “auto-organização” da vida só se centram na “formação da ordem” e excluem a “informação complexa”. Esses teóricos gostam de utilizar o termo “complexidade” nos seus escritos, mas referem-se a padrões altamente organizados e intrincados da organização da matéria, mas ao fim e ao cabo não distinguem os cristais de quartzo de uma ameba. A teoria da “auto-organização” defende que as leis da física (e consequentemente as leis da química produzidas) causaram a formação da matéria viva. Mas esta ideia encontra um grande obstáculo: o simples facto matemático de que a informação genética contida no mais pequeno organismo vivo é muito maior do que o conteúdo de informação descoberto nas leis da física – como referiu Hubert Yockey, um dos físicos do Projecto Manhattan, no seu livro Information Theory and Molecular Biology. De onde nos chegou o enorme conteúdo de informação vital?

Esta dificuldade fundamental não é abordada pelos defensores da teoria da “auto-organização”. Mesmo que ignoremos este facto matemático fundamental, existe um outro problema: as leis da Física só produzem padrões regulares. O ADN (vida) requer padrões irregulares para a transmissão de informação através do código genético. Para usar uma analogia, a nossa língua utiliza um código (alfabeto), e se escrevermos as letras “ABC” de uma forma repetida ao longo de 1.000 páginas, teríamos um padrão regular, altamente ordenado e previsível (que são como as produzidas pelas leis da Natureza); mas se analisarmos “Os Lusíadas” verificamos um padrão irregular nas letras do alfabeto utilizadas, o que significa uma enorme quantidade de informação.

De igual modo, o ADN utiliza o seu código (A, G, C e T) numa combinação complexa e irregular, para transmitir o seu código genético. Uma lei física produz padrões regulares e previsíveis, como a lei da gravidade produz o fluxo de agua tépida no exemplo do tubo do duche de que se falou aqui. Se o ADN tivesse origem baseada nesse tipo de lei física, a sequência do ADN seria simples e repetitiva (tipo ABCABC) e sem muita informação, e seria incapaz de transmitir milhões de instruções como o faz o mais simples dos organismos (o químico Michael Polanyi reconheceu este facto em 1953 – fonte: Britannica). Da mesma forma que a informação contida n’Os Lusíadas não foi determinada pelos químicos utilizados na tinta das penas de Luís Vaz de Camões, assim a informação do código genético (ainda que codificada num alfabeto de 4 letras) não é determinada pelos elementos químicos desse seu alfabeto.
Podemos especular se um dia existirá uma teoria da “auto-organização” em condições de vingar. Neste momento, esta teoria é mais uma proto-teoria do que teoria propriamente dita.


Fonte: Expectativas

NOTA: Nem tudo o que um cientista diz é científico". Esta frase, do eminente apologeta Norman Geisler, traduz bem esta pataquada de Dawkins. Infelizmente, por não saberem nada de filosofia da biologia ou da ciência, muitos enveredam cegamente por este tipo de ´ilusão´ (ou seria ´delírio´), que está coberto com um verniz de ciência de botequim. E o pior: Livros como ´Deus, um delírio´ vendem uma barbaridade, mostrando que, como um sino de uma igreja, o Richard Dawkins faz muito, muito barulho... apesar de tocar uma nota só.

Em Cristo Jesus,
Pr. Artur Eduardo



O grande nível de informação presente em cada ser vivo revela-nos a intervenção de uma mente inteligente, pois a informação é uma entidade imaterial que tem sempre origens inteligentes. Mas como “Inteligência” não pode fazer parte da ciência das origens, os evolucionistas fazem tudo para mostrar que ela surgiu por acaso e foi evoluindo através do erro genético.

Richard Dawkins desenvolveu o Weasel program, um software que pretende mostrar como a vida não tem uma causa inteligente. O programa de computador começa com uma sequência aleatória de 28 letras e espaços. A sequência é então copiada repetidamente, representando a reprodução biológica. São permitidos erros de cópia, representando as mutações. Sem grandes surpresas, em poucas gerações, a sequência vai de uma série de letras que nada dizem à sequência “ME THINKS IT IS LIKE A WEASEL“.

No primeiro teste vai de “WDLTMNLT DTJBKWIRZREZLMQCO P” a “ME THINKS IT IS LIKE A WEASEL“, em 43 gerações.

No segundo vai de “Y YVMQKZPFJXWVHGLAWFVCHQYOPY” ao mesmo resultado, em 64 gerações.

Et voilá, um programa de computador "prova" que não é necessária intervenção inteligente para a vida ficar mais complexa.

Ironicamente, em The God Delusion, Richard Dawkins fornece a explicação para o facto de o seu software ter chegado ao resultado esperado. Claro que ele não aplica aquilo que diz ao Weasel program, mas adequa-se na perfeição a este caso. Deliciem-se:


“Os computadores fazem o que lhes manda. Obedecem cegamente a quaisquer instruções que lhes sejam transmitidas através da linguagem de programação. É assim que desempenham coisas úteis, como processamento de texto e folhas de cálculo. Mas também há um subproduto inevitável, e que é o facto de terem um comportamento igualmente robótico quando se trata de obedecer a instruções erradas.

Não têm forma de saber se uma dada instrução vai produzir um bom ou um mau resultado. Limitam-se a obedecer, tal como se espera de um soldado. É a sua obediência incondicional que torna os computadores úteis, e é precisamente isso também que os torna inescapavelmente vulneráveis a infecções de vírus e vermes de software."


(Richard Dawkins em Deus, um delírio, pág. 216)

Este tipo de jogo de computador pode ser jogado por qualquer um e alcançará sempre o objectivo para o qual foi concebido. Por quê? Porque eles foram concebidos com determinado propósito. Os programas de computador não se criam a eles próprios. São criados pelo homem. Os valores são introduzidos pelo homem. No caso do exemplo de Dawkins, até as letras aleatórias iniciais não são, de todo, aleatórias. Elas foram introduzidas pelo programador.

Não é, então, de se ficar admirado pelo programa provar aquilo que o programador quer.



“A complexidade dos seres vivos não necessita da intervenção de um designer inteligente. É apenas o produto do acaso, como eu mostrei aqui.“

*Programador inteligente com inclinação 100% anti-Deus*

*Tecnologia do século XX, programada para produzir um resultado predeterminado*

Fonte: A Lógica do Sabino

O texto a seguir é do blog ´Expectativas´:


O ADN da mais pequena bactéria unicelular contém mais de 4 milhões de instruções (comandos de informação), que se encontram codificadas no ADN nas quatro “bases” da escada, com os nomes de A, G, C e T: são o alfabeto genético. Actuando como frases de um texto ou de um discurso, as instruções do ADN passam a informação necessária à formação de uma proteína ou algo semelhante que o organismo necessite para a sua reprodução ou alimentação.

O problema dos teóricos da “auto-organização” é que os mecanismos de criação de vida que eles defendem não explicam o método de geração do tipo de informação que o ADN contém. Os cenários da “auto-organização” da vida só se centram na “formação da ordem” e excluem a “informação complexa”. Esses teóricos gostam de utilizar o termo “complexidade” nos seus escritos, mas referem-se a padrões altamente organizados e intrincados da organização da matéria, mas ao fim e ao cabo não distinguem os cristais de quartzo de uma ameba. A teoria da “auto-organização” defende que as leis da física (e consequentemente as leis da química produzidas) causaram a formação da matéria viva. Mas esta ideia encontra um grande obstáculo: o simples facto matemático de que a informação genética contida no mais pequeno organismo vivo é muito maior do que o conteúdo de informação descoberto nas leis da física – como referiu Hubert Yockey, um dos físicos do Projecto Manhattan, no seu livro Information Theory and Molecular Biology. De onde nos chegou o enorme conteúdo de informação vital?

Esta dificuldade fundamental não é abordada pelos defensores da teoria da “auto-organização”. Mesmo que ignoremos este facto matemático fundamental, existe um outro problema: as leis da Física só produzem padrões regulares. O ADN (vida) requer padrões irregulares para a transmissão de informação através do código genético. Para usar uma analogia, a nossa língua utiliza um código (alfabeto), e se escrevermos as letras “ABC” de uma forma repetida ao longo de 1.000 páginas, teríamos um padrão regular, altamente ordenado e previsível (que são como as produzidas pelas leis da Natureza); mas se analisarmos “Os Lusíadas” verificamos um padrão irregular nas letras do alfabeto utilizadas, o que significa uma enorme quantidade de informação.

De igual modo, o ADN utiliza o seu código (A, G, C e T) numa combinação complexa e irregular, para transmitir o seu código genético. Uma lei física produz padrões regulares e previsíveis, como a lei da gravidade produz o fluxo de agua tépida no exemplo do tubo do duche de que se falou aqui. Se o ADN tivesse origem baseada nesse tipo de lei física, a sequência do ADN seria simples e repetitiva (tipo ABCABC) e sem muita informação, e seria incapaz de transmitir milhões de instruções como o faz o mais simples dos organismos (o químico Michael Polanyi reconheceu este facto em 1953 – fonte: Britannica). Da mesma forma que a informação contida n’Os Lusíadas não foi determinada pelos químicos utilizados na tinta das penas de Luís Vaz de Camões, assim a informação do código genético (ainda que codificada num alfabeto de 4 letras) não é determinada pelos elementos químicos desse seu alfabeto.
Podemos especular se um dia existirá uma teoria da “auto-organização” em condições de vingar. Neste momento, esta teoria é mais uma proto-teoria do que teoria propriamente dita.


Fonte: Expectativas

NOTA: Nem tudo o que um cientista diz é científico". Esta frase, do eminente apologeta Norman Geisler, traduz bem esta pataquada de Dawkins. Infelizmente, por não saberem nada de filosofia da biologia ou da ciência, muitos enveredam cegamente por este tipo de ´ilusão´ (ou seria ´delírio´), que está coberto com um verniz de ciência de botequim. E o pior: Livros como ´Deus, um delírio´ vendem uma barbaridade, mostrando que, como um sino de uma igreja, o Richard Dawkins faz muito, muito barulho... apesar de tocar uma nota só.

Em Cristo Jesus,
Pr. Artur Eduardo